Páginas

terça-feira, 6 de março de 2018

Coluna do blog desta terça-feira

Palácio quer diminuir influência de Guilherme Uchoa 
No início do governo Paulo Câmara, pouca gente lembra, mas o PSB que havia elegido 15 deputados estaduais não queria o quinto mandato de Guilherme Uchoa, tanto é que incentivou a candidatura de Waldemar Borges para a presidência, quando percebeu que não tinha a menor chance de derrotar Guilherme no voto, abdicou de lançar candidato e impôs Lula Cabral para a primeira-secretaria. No voto, Guilherme ajudou Diogo Moraes e praticamente casou a sua votação, garantindo a vitória de Diogo, que recebeu um veto explícito do Palácio mas bateu chapa e venceu a disputa.
De lá pra cá a relação entre Palácio e Guilherme nunca foi muito boa. E mesmo Guilherme tendo conquistado o sexto mandato, a ordem entre os aliados do governador é diminuir a força de Guilherme dentro da Assembleia Legislativa de Pernambuco. Para isto já está sedimentado que desta vez o Palácio terá candidato próprio e não aceitará que ele conquiste o sétimo mandato. Mais do que isso, o governo já decidiu que se Guilherme quiser, entra no PSB, mas se não quiser, a porta da rua é a serventia da casa. Uma fonte palaciana afirmou que o governo já não suporta mais Guilherme e acredita que já passou da hora dele perder o protagonismo na Casa Joaquim Nabuco.
A questão da chapinha de federal, que foi fruto de uma grande confusão, é prego batido e ponta virada. O governo já percebeu que só terá o apoio irrestrito dos candidatos de menos votos se houver a chapinha, e entende que é melhor para a reeleição do governador que ela ocorra. A afirmação do Palácio ao presidente da Alepe de que a chapinha não existirá foi a maneira que encontrou para que esta situação seja empurrada com a barriga até o próprio Guilherme se dar conta de que a situação já está resolvida.
O Palácio também avalia que Guilherme a essa altura da vida não terá coragem de romper e por isso ele aceitará a chapinha de bom grado, mas se eventualmente romper com o governador, Junior Uchoa terá que se contentar com os movimentos que ocorrerão em cima das suas bases por parte de aliados do governo. O governo quer ganhar a eleição e quer ter maior peso na situação da mesa diretora e da própria Assembleia no novo governo, uma vez que considera a possibilidade de emplacar tanto o presidente quanto o primeiro-secretário, e relegar a Guilherme um papel de coadjuvante no processo da Casa Joaquim Nabuco.
Sebastião Oliveira – Aliados do secretário dos Transportes Sebastião Oliveira não entendem o motivo de todo mundo ser lembrado para a majoritária de Paulo Câmara menos ele. Isso tem gerado uma insatisfação entre os aliados do secretário. Inclusive há informações de negociação com a oposição pois lá seria mais fácil reeleger Henrique Queiroz e Rogério Leão com cerca de 40 mil votos, enquanto no chapão precisa-se de 50 mil.
PROS – Surgiu a informação de que o deputado federal João Fernando Coutinho se filiar ao PROS numa composição com o presidente da sigla Antonio Souza. Ele negou a informação, mas segundo uma fonte ouvida pelo blog, as negociações existem e poderão avançar nos próximos dias. Filiado ao PROS, João teria maior flexibilidade para decidir se fica com Paulo Câmara.
Chapa – Só é interessante para Armando Monteiro entrar na disputa pelo governo de Pernambuco se tiver Fernando Filho de vice, e Mendonça Filho e Bruno Araújo disputando o Senado. Com isso ele teria a garantia do empenho de todos os principais partidos e aliados do seu projeto, caso contrário Armando poderá entrar numa disputa na mesma situação que ficou em 2014 quando não pôde contar com a solidariedade eleitoral de muita gente.
Daniel Coelho – O deputado federal Daniel Coelho está caminhando a passos largos para filiar-se ao PPS. No partido de Roberto Freire ele entrará como comandante, uma vez que Raul Jungmann seguirá no ministério da Segurança Pública e não será candidato nestas eleições. Caberá a Daniel decidir se disputa uma eleição majoritária ou se renova o mandato de deputado federal.
RÁPIDAS
Casa Civil – O chefe da assessoria especial José Francisco Neto será o substituto de Nilton Mota na secretaria da Casa Civil. O martelo já foi batido porque Zé Neto é da estrita confiança do governador e circula bem entre a classe política. Nilton deixará a pasta para renovar seu mandato de deputado estadual.
Prazo – Finda na próxima quinta-feira o prazo dado pelo Tribunal Superior Eleitoral para que a Justiça Estadual se pronuncie a respeito do processo de dissolução do diretório estadual do MDB. A partir de então, é possível que haja alguma movimentação mais relevante sobre o tema, que caminha para ser o divisor de águas nas eleições deste ano.
Inocente quer saber – Jarbas Vasconcelos deixará a disputa eleitoral para seguir brigando pelo comando do MDB?
Do Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Nasce o rim biônico para dizer adeus à máquina de hemodiálise

Cientistas dos Estados Unidos estão preparando um rim artificial para implantar em doentes renais. Ele funcionará segundo a pulsação do c...

Matérias mais vistas