Páginas

terça-feira, 29 de maio de 2018

Polícia Militar e Exército atuarão em conjunto em PE para garantir a chegada de combustível e gás de cozinha


As forças policiais estaduais e o exército começarão a atuar de forma conjunta em Pernambuco para garantir a chegada dos comboios que saem do Porto de Suape para distribuição de combustível e gás de cozinha. Em reunião realizada na tarde deste domingo (27), com a presença do governador Paulo Câmara, o governo e o Comando Militar do Nordeste traçaram um plano estratégico para distribuir o material, sobretudo para o interior. Em paralelo, há uma negociação com os manifestantes estacionados na Avenida Portuária para a liberação de 30% da frota de caminhões circulantes diariamente na via.

Desde o último sábado (26), quando passou a vigorar o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), a secretaria de Defesa Social e o Comando Militar vêm negociando a união das forças. “Há uma previsão do uso da força, se necessário, para desinterdição das vias. Então, se preciso for, sem dúvida alguma, as forças de segurança estarão preparadas para fazer esse trabalho”, garantiu o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua. “Sabemos que no interior a situação é mais complicada do que na Região Metropolitana do Recife (RMR), por isso a necessidade do trabalho conjunto”, detalhou o secretário de Planejamento e Gestão de Pernambuco, Márcio Stefanni.


Ainda não foi definido o tamanho do comboio que seguirá para o interior. Segundo Antônio de Pádua, o uso da força conjunta será feito em “momento oportuno”, a depender do andamento das negociações com os representantes do movimento. O secretário fez um apelo para que os manifestantes evitem levar mulheres e crianças para os 12 pontos de bloqueios distribuídos nas estradas que cortam o estado, como estaria ocorrendo, em forma de intimidação. “A força do estado tem que permanecer e não queremos machucar quem não deve ser machucado. A paciência do pernambucano está chegando ao limite”, pontuou Stefanni.

Entre a noite do último domingo e a amanhã de ontem, saíram cerca de 50 caminhões do Porto de Suape para abastecimento prioritário das forças policiais, ambulâncias e transporte público. A meta do governo estadual é negociar para a 120 a 150 caminhões diários, somente de combustível. “Existe uma resistência, uma vez que o movimento não é organizado e não há uma liderança. Muita gente se qualificou como negociador e não é. Há dois a quatro grupos por bloqueio”, acrescentou Stefanni.
Os secretários confirmaram que um comboio com 14 caminhões que levavam gás liquefeito de petróleo (GLP), mas não estava sendo escoltado pelo governo, foi interceptado pelos manifestantes na entrada de Suape. Ontem também foi realizada uma reunião com o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), para alinhamento das medidas que estão sendo tomadas. O MPPE realizou o primeiro encontro do Gabinete de Acompanhamento de Crise, com foco na realização de um monitoramento permanente da prestação dos serviço básicos à população.

Ônibus

Apesar das queixas da população quanto a falta de ônibus nas ruas da RMR na manhã de ontem, o secretário de Planejamento e Gestão Márcio Stefanni garantiu que 100% da frota de coletivos teria rodado. Segundo ele, os abastecimentos foram realizados até as 5h e por volta das 7h os últimos veículos saíram às ruas. “Houve um atraso na saída, quer dizer, neste momento de anormalidade nem se pode falar em atraso. Não se pode requerer que esteja tudo normal. Mesmo assim, o governador cumpriu a promessa e todas as garagens foram abastecidas”, disse. Segundo ele, foi dada prioridade na retirada do combustível de Suape com essa finalidade.

Do Assis Ramalho - Por: Diário de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Cinco vereadores são afastados por suspeita de integrar esquema de 'funcionários fantasmas' em Pernambuco

Policiais civis cumprem mandados de busca e apreensão em operação que tem como um dos alvos a Câmara de Vereadores do Cabo de Santo Agost...

Matérias mais vistas