Páginas

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Coluna do blog desta sexta-feira

A saída honrosa de Marília Arraes 
Que Marília Arraes é a grande sensação desta fase pré-eleitoral ninguém tem mais dúvida, sozinha ela mexeu com o quadro político e impactou tanto na Frente Popular quanto na oposição, que torceu bastante pela sua entrada no páreo no intuito de forçar a existência de um segundo turno. Porém, no meio do caminho de Marília Arraes havia uma pedra, e ela se chamava Humberto Costa, incentivador do seu projeto mas que depois se voltou contra ela porque enxergou na aliança com o PSB a única chance de tentar renovar seu mandato no Senado Federal.
No meio político, exceto entre os apoiadores de Marília, a sua saída do páreo é dada como “prego batido e ponta virada” e muitos avaliam que ela está sendo retirada do jogo porque cresceu antes do tempo, assustando o PSB e valorizando o passe do PT e do próprio senador Humberto Costa, o quadro nacional também teve papel fundamental nesta decisão. Porém, é indiscutível que Marília mesmo rifada é a grande vitoriosa do processo eleitoral, tomando uma dimensão jamais imaginada pra ela.
Então ela não pode abdicar em hipótese alguma deste ativo político e eleitoral que conquistou por méritos próprios, e a sua saída seria disputar um mandato de deputada, cargo que o PT não poderia nem ousar em cogitar negar-lhe legenda. Há quem defenda que ela dispute um mandato de deputada federal pela dimensão do cargo e também pela inserção nacional que ela passaria a ter caso fosse eleita para a Câmara Federal.
Apesar disso, outros entendem que o ativo político e eleitoral alcançado lhe dá condições de entrar numa disputa majoritária futura, que seria a prefeitura do Recife em 2020 e tentando um mandato de deputada estadual, Marília estaria mais próxima da capital pernambucana. Independentemente do cargo que ela decidir disputar, muitos creem que Marília já se consolidou na política estadual e terá forte protagonismo nos processos eleitorais vindouros.
Desentendimento – Os sucessivos adiamentos do lançamento das pré-candidaturas da oposição ao pleito majoritário de 2018, teriam como pano de fundo um suposto desentendimento entre os dois principais caciques oposicionistas, os senadores Armando Monteiro e Fernando Bezerra Coelho. Armando teria vetado o nome de Fernando Filho para ser seu vice, o que havia provocado forte insatisfação por parte do pai.
Críticas – Houve muitos panos mornos, a temperatura ainda não tinha baixado e Armando fez mais um gesto interpretado como hostil ao grupo dos Coelho quando criticou a política de preço implementada pela Petrobras nos últimos dois anos. Esta política foi traçada quando Fernando Filho era ministro das Minas e Energia, pasta responsável pela estatal.
Estadual – A ex-vice-prefeita de Sirinhaém Debora Serafim, que também exerceu a secretaria de ação social em Ipojuca durante a gestão de Pedro Serafim, está pavimentando sua pré-candidatura a deputada estadual pelo PSC, tornando-se uma das principais candidatas a uma vaga na Alepe pela sigla. Debora substituirá o deputado Pedro Serafim Neto, que exerce o segundo mandato na Casa Joaquim Nabuco.
Desencontro – Chamou a atenção do meio político a postura do ex-governador Joaquim Francisco de afirmar que a oposição só deveria anunciar a chapa após a Copa do Mundo. Para muitos, a oposição já deveria ter anunciado sua chapa em abril, quando havia determinado o dia 20 daquele mês como prazo inicial, e a postura de Joaquim pelo que ele representa politicamente para o grupo demonstra um certo desencontro com os principais atores da futura coligação.
RÁPIDAS
Surpresa – Conhecido como político “sorveteiro” na definição dada por Eduardo Campos para aqueles que começavam a trabalhar mais tarde, muita gente ficou supresa com a entrevista do secretário da Casa Civil André Campos que na greve dos caminhoneiros estava logo cedo pegando no batente. Teve amigo do secretário que disse que Paulo Câmara operou o milagre de colocar André para “cair da cama”. Pura maldade!
Gabinete –  Com a retomada do abastecimento de combustível no Recife e Região Metropolitana, a partir do desbloqueio das rodovias no Estado, especialmente após a operação realizada pelo Governo do Estado no Porto de Suape, o prefeito Geraldo Julio comanda, na manhã desta sexta-feira, mais uma reunião de balanço do Gabinete de Emergência para avaliação do funcionamento dos serviços públicos municipais neste momento. O Gabinete foi instalado com o objetivo de garantir os serviços essenciais no Recife durante a crise de abastecimento que atingiu todo o Brasil.
Inocente quer saber – O vice-governador Raul Henry teria votos para se eleger deputado federal em outubro?

Do Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Justiça Eleitoral altera locais das secções do Teatro Municipal, AABB e Evany Patriota Cordeiro nas eleições deste ano

  Os eleitores santa-cruzenses que votam nas secções que fazem parte da Escola Evany Patriota Cordeiro (59, 60, 63, 68 e 72), na AABB (123, ...

Matérias mais vistas