Páginas

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Quadrilha presa em PE vendia máquinas agrícolas roubadas por até 10% do valor de mercado

Policiais civis de Pernambuco participaram de operação para prender suspeitos de roubos no Grande Recife; Homem preso pela Operação Arapuca foi levado para o Depatri, na Zona Oeste do Recife (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

A quadrilha desarticulada pela Operação Arapuca, deflagrada pela Polícia Civil nesta quarta-feira (27), rendia as vítimas para roubar máquinas agrícolas e revender por até 10% do valor de mercado. Segundo o delegado José Cláudio Nogueira, um equipamento que normalmente custa entre R$ 200 mil e R$ 300 mil era repassado no interior de Pernambuco por R$ R$ 30 ou R$ 40 mil.

Os agentes cumpriram os nove mandados de prisão expedidos pela Comarca de Camaragibe, na Região Metropolitana. As ações ocorreram no Recife e em Limoeiro, no Agreste.

Segundo a polícia Civil, três envolvidos foram detidos nesta quarta-feira (27). Quatro homens, considerados os líderes da quadrilha, já estavam em unidades prisionais e comandavam o crime de dentro da cadeia.


Houve um flagrante no domingo (24), quando um dos integrantes do grupo levava uma máquina para o interior. Outra prisão ocorreu na quinta-feira (21), quando um homem tentou arremessar drogas por cima do muro de um presídio e ficou constatada a participação dele na organização.

O delegado José Cláudio Nogueira afirmou que a polícia registrou, desde o final de2017, seis roubos de máquinas atribuídos ao grupo.

“Eles usavam armas e rendiam os trabalhadores quando estavam indo para os locais de serviço e repassavam essas máquinas para receptadores certos, sobretudo, no interior. As pessoas que pegaram essas máquinas sabiam que estavam cometendo crime”, afirmou.

O delegado disse, ainda, que entre os presos estão chefes do grupo, executores dos roubos e intermediários. “Não podemos afirmar ainda quem são esses compradores que pegavam as máquinas. Quando todos forem identificados, poderão ser presos”, afirmou.

Ação

A Arapuca foi a 26ª operação de repressão qualificada desencadeada este ano pela Polícia Civil. A ação teve comando Diretoria Integrada Especializada (Diresp) e apoio do setor de inteligência.

Participaram da ação 55 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães. Os presos e o material recolhido foram levados para a sede do departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri), em Afogados, na Zona Oeste do Recife.

Por G1 PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

reação de Armando Monteiro contra Paulo Câmara e empate no 2º turno

Nova rodada da pesquisa Ibope, divulgada nesta segunda-feira (17) pela TV Globo, mostra que o candidato da Frente Popular de Pernambuco, ...

Matérias mais vistas