Páginas

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Mulher morre após fazer lipo e colocar silicone em clínica de BH

Renata Bretas, de 36 anos, morreu após fazer lipo e colocar silicone nos seios em clínica de Belo Horizonte — Foto: Reprodução/Facebook

Uma mulher morreu nesta segunda-feira (22) em Itabirito, na Região Central de Minas Gerais, após passar por uma cirurgia estética em uma clínica de Belo Horizonte. De acordo com Adriana Vaz, que é parente da vítima, na última quarta-feira (17), Renata Bretas, de 35 anos, colocou prótese de silicone e fez uma lipoaspiração nas axilas na clínica Forma, na Região Centro-Sul da capital mineira; no pós-operatório ela já teria passado mal, mas recebeu alta e voltou para Itabirito.

Ainda segundo Adriana, Renata chegou a voltar à clínica na sexta-feira (19) pois estava sentindo muitas dores, lá ela teria passado mal novamente. A paciente foi liberada pelos médicos e retornou a Itabirito, conforme a cunhada. “Ontem conversei com ela, estava bem. Hoje ela me chamou, estava branca, com a boca espumando. Levamos para o hospital”. Conforme Adriana, Renata teve parada cardíaca e já chegou sem vida ao hospital, onde tentaram reanima-la, mas sem sucesso.
A cunhada disse que os médicos do Hospital São Vicente de Paula informaram que Renata teve uma embolia pulmonar.

O corpo de Renata está sendo velado em Itabirito e deve ser enterrado nesta terça-feira (22). Ela deixa um filho de seis anos.

De acordo com o dono da clínica Forma, Fernando Amaral, Renata fez a cirurgia no local e recebeu alta preenchendo todos os requisitos para isso. Disse ainda que a unidade possui a certificação e oferece todas as condições para a cirurgia; e afirmou no pré-operatório são feitos exames e consultas e a cirurgia só é feita se estiver tudo normal.

Segundo o médico que realizou a cirurgia, Frederico Vasconcelos, não houve nenhum problema durante o procedimento e o atendimento pós-operatório. No retorno na sexta-feira, ela teria se queixado de dores nos seios, mas não falou sobre dificuldades respiratórias e déficit sensitivo, que são indicadores de embolia. O médico afirmou ainda que a paciente era saudável, que não tinha histórico de embolia na família, o laudo de risco cirúrgico não apresentou nenhuma contraindicação e a alta foi “absolutamente” normal, que Renata estava bem. Disse ainda que a embolia pode não necessariamente estar relacionada à cirurgia. Afirmou que fez o melhor para a paciente.

Por Humberto Trajano, Luciane Amaral e Felipe Jávare, G1 Minas e TV Globo — Belo Horizonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Exclusivo – Zé Augusto registra candidatura para deputado federal

  O ex-prefeito e ex-deputado José Augusto Maia (Solidariedade), registrou candidatura para deputado federal. A informação consta no site da...

Matérias mais vistas