Páginas

sexta-feira, 30 de dezembro de 2022

Ibovespa supera tombo de Nova York e fecha ano com alta de 4,69%

IEL3 e PRIO3 têm ano de glória. IRBR3 e OIBR3 lideram quedas. Tem ainda o derretimento (de novo) de AMER3, MGLU3 e VIIA3. Veja maiores e altas e baixas de 2022.

Para a Faria Lima, o ano acabou hoje, o último dia de pregão na B3. E o Ibovespa lutou para garantir os 110 mil pontos para a virada. Não deu. O índice fecha 2022 na marca de 109.734 pontos, uma alta de 4,69% em 12 meses.

O lado meio vazio do copo diz que é um resultado mirrado, dadas as estimativas feitas pelo mercado financeiro. Analistas haviam previsto que o índice avançaria coisa de 25% ao longo deste ano, o que levaria o Ibov a 130 mil pontos, o mesmo patamar que havia sido desenhado também para 2021, por sinal.
 
O lado meio cheio diz que pelo menos a bolsa brasileira subiu. Em Nova York, ainda resta mais um dia de pregão. Até esta quinta, porém, sangria acumulada foi de 18,28% no S&P 500 e de 32,96% no Nasdaq. Outch.
 
Lá fora, o que pesou foi o torniquete pesado do Fed sobre os juros, um esforço hercúleo de trazer de volta a inflação para 2%. A estrada ainda é longa por lá. Por aqui, a bagunça econômica global somada à invasão da Ucrânia pela Rússia rendeu dividendos positivos: as commodities subiram e ajudaram a guiar a alta do Ibov.
 
Vamos ao ranking de quem se deu bem neste ano, para entender melhor.
 
1) Cielo (CIEL3)
A empresa de maquininhas de cartão saiu do atoleiro e voltou a registrar resultados robustos, galgando a primeira posição de maior alta do Ibovespa no ano. No terceiro trimestre, o lucro líquido saltou 99%, para R$ 422 milhões. Foi o melhor resultado desde o segundo trimestre de 2019 e o quinto trimestre seguido de crescimento.
 
A Cielo era líder no duopólio que tinha com a Rede (do Itaú). Quando o BC decidiu abrir o mercado para a concorrência, começou a sangria. As concorrentes cresceram cortando tarifas, mas ganhando dinheiro com a antecipação de recebíveis, a linha de crédito que a Cielo não operava para não concorrer com seus acionistas, o Bradesco e o Banco do Brasil. A estratégia mudou, ajudando na virada da companhia. A ação disparou 142,54%, líder com folga nas maiores altas de 2022.
 
2) Prio (PRIO3)
Pelo segundo ano consecutivo, a Prio (que se chamava PetroRio) faturou um lugar no pódio das maiores altas do Ibovespa. A exploradora de petróleo se deu bem por uma combinação de disparada nos preços da matéria-prima com expansão da produção, que estava em curso.
 
O preço do brent fechou em US$ 82,26, o que dá uma variação no ano de 5,76%. Dinheiro de pinga e que não conta a história toda, claro. Quando Vladimir Putin decidiu invadir a Ucrânia, mandou o preço do barril para os US$ 130. E por uma boa parte de 2022, ele foi negociado com folga acima dos US$ 100. Nisso, a Prio garantiu uma disparada de 80%, e 165% considerando a dobradinha 2021-2022. Ela teve a companhia de gente de dentro e de fora Ibov.
 
A mais impressionante foi a disparada da Dommo (ex-OGX de Eike Batista), que superou até a Cielo, para fechar em 269,23% (a R$ 1,92). A PetroRecôncavo (RECV3) avançou 82%. Do Ibov e de fora do pódio ficou a 3R (RRRP3), com 12,52% de valorização. E teve também a Petrobras. Antes de chegar nela, uma pausa.
 
3) BB Seguridade (BBSE3)
A seguradora do Banco do Brasil subiu generosos 75,21%. A empresa se beneficiou da expansão do crédito agrícola pelo BB, que é garantido pelos seguros da BBSE3. E o ano fértil para o agro manteve o número de sinistros sob controle. Adicione a isso a alta da Selic, e voilà, eis uma disparada de ações.
 
4) Hypera (HYPE3)
A farmacêutica dona das marcas Engov, Atroveran e Nebacetin voou 64,76%, um desempenho que foi atribuído à capacidade de continuar vendendo mesmo quando a renda da população diminuiu. Uma das iniciativas consideradas chave para o sucesso foi a loja online, cortando o intermediário (a farmácia) do processo.
 
5) Assaí (ASAI3)
A rede de atacarejo passou o ano ampliando a rede de lojas, e convertendo unidades que carregavam a bandeira Extra (do Pão de Açúcar) para a sua marca. Esse foi mais um passo na movimentação da companhia desde que ela foi separada do Pão de Açúcar. O resultado positivo veio na forma de 51,73% de alta nas ações.
 
Faixa bônus: Petrobras (PETR3 e PETR4)
A estatal bateu recorde mundial na distribuição de dividendos, uma combinação de alta do petróleo com a pressão do governo para rechear o caixa. Deu certo. A estatal chegou a bater seu recorde de valor de mercado ao longo do ano. E passou a perder ritmo junto com o brent, somado ao momento em que a vitória de Lula na eleição foi se desenhando. A PETR3 fechou o ano em 47,59%, e a PETR4, em 46,09%. Por sinal, o dia de hoje baixou um pouquinho mais esse percentual. As ações caíram perto de 1% quando o novo ministro de Minas e Energia falou que Lula decidirá sobre a nova política de preços da companhia – algo que, bem, a Faria Lima já sabe faz tempo.
 
Na ponta de baixo da tabela tem meme stock e grandes varejistas, essas também entrando pelo segundo ano consecutivo no ranking que ninguém quer estar.
 
1) IRB (IRBR3)
A resseguradora está longe de sair do inferno astral que entrou em 2020, quando a gestora Squadra descobriu a fraude na prestação de contas da companhia. O buraco era tão grande que, dois anos depois, o IRB precisou captar R$ 1 bilhão para ter o mínimo em caixa exigido pela regulação das seguradoras. Cada papel foi vendido por R$ 1, convertendo o IRB em uma penny stock. Aí virou uma profecia autorrealizável: a B3 não permite ações de menos de R$ 1 no Ibovespa, e a resseguradora deixará o índice no começo do ano. Resultado? Mais uma queda. No fechamento do ano, o IRB termina em baixa de 78,61%, a R$ 0,86.
 
2) Americanas (AMER3)
A inflação e os juros de dois dígitos, combinados com o fim da pandemia, foram explosivos para as varejistas. Pelo segundo ano consecutivo, elas aparecem com perdas monstruosas. A Americanas correu para fazer a sua integração online-offline, anunciou Sergio Rial como presidente e tentou convencer investidores que o pior ficou para trás. Não deu. A queda foi de 68,67%. A Magalu tombou 62,05%, enquanto a Via caiu 54,29%.
 
3) CVC (CVCB3)
A agência de viagens vai na mesma toada das varejistas, sofre com a perda de renda da população e o crédito mais caro. Com problemas adicionais: as passagens aéreas estão na lua, reflexo da desorganização do setor durante a pandemia e da alta do preço dos combustíveis. E a companhia entrou na crise com a dívida elevada, agora ainda mais cara. A queda no ano foi de 66,54%.
 
4) Qualicorp (QUAL3)
A Qualicorp é uma administradora de planos de saúde. Com o aumento das despesas, ela tentou repassar custos a seus clientes, aumentando os valores dos planos. Com os orçamentos esmagados pela inflação, o resultado foi uma disparada nos cancelamentos. Resultado? -64,55% nos papéis.
 
5) Méliuz (CASH3)
A tech de cashback viveu um ciclo de glória depois do IPO, uma espécie de promessa de que uma nova geração de empresas chegaria à B3. A alta de juros e o fim da euforia tech nos EUA derrubou a ação em 63,89%.
 
Faixa bônus: Oi (OIBR3)
A tele queria fechar o ano saindo da crise. A companhia conseguiu concluir seu processo de recuperação judicial, e agora caminha com as próprias pernas. A expectativa da gestão da companhia era que o fim da RJ atraísse novos investidores, como gestores de fundos que ficam impedidos de comprar ações de empresas em dificuldades. Não rolou. O resultado foi -77,63% no ano. A empresa terminou com o papel valendo 17 centavos.
 
As projeções para o Ibovespa em 2023 indicam que o índice deve terminar o ano ao redor dos 126 mil pontos, segundo um compilado do Valor feito com 21 instituições financeiras. Daria uma alta de 15%, algo que o Otimismo é matéria-prima básica da Faria Lima. Que assim seja em 2023. Nos vemos lá.
 
Maiores altas (do dia)
Positivo (POSI3) 6,83%
BRF (BRFS3) 6,70%
Marfrig (MRFG3) 4,19%
São Martinho (SMTO3) 2,31%
3R (RRRP3) 1,94%
 
Maiores baixas (do dia)
IRB (IRBR3) -8,51%
Qualicorp (QUAL3) -4,55%
Fleury (FLRY3) -1,90%
Petz (PETZ3) -2,80%
Hapvida (HAPV3) -2,68%
 
Ibovespa: -0,46%, a 109.734 pontos
 
Nova York
Dow Jones: 1,05%, a 33.221 pontos
S&P 500: 1,74%, a 3.849 pontos
Nasdaq: 2,59%, a 10.478 pontos
 
Dólar: 0,47%, a R$ 5,28
 
Petróleo
Brent: -1,20%, a US$ 82,26
WTI: -0,53%, a US$ 78,50
 
Minério de ferro: 1,56%, a US$ 120,89 a tonelada na bolsa de Dalian

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Chacina em São João: bebê e outras quatro pessoas são assassinadas a tiros; outras sete ficam feridas

  Crime aconteceu na noite da quinta-feira (26) e foi motivado por 'rixa entre grupos ligados ao tráfico de drogas', segundo o gover...