Páginas

terça-feira, 10 de janeiro de 2023

O Capitólio à brasileira é fruto de um triplo apagão

 O chama atenção, entre os detidos e presos identificados até aqui, a quantidade de moradores de pequenas cidades do interior do Brasil – repletos dos chamados 'deserto de notícias', lugares onde não há imprensa local independente.

A bonita cerimônia de posse de Lula, no domingo passado, parecia anunciar a bonança. Nos dias seguintes, Bolsonaro se manteve calado e o quórum dos famigerados acampamentos golpistas minguava.

Uma semana depois, porém, tudo mudou.

Na manhã do último domingo, ônibus vindos dos quatro cantos do país chegaram a Brasília apinhados de bolsonaristas radicais. Em poucas horas, milhares deles tomaram as sedes do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal. 

O que se seguiu foi terrorismo. Dentro dos prédios, obras de arte foram destruídas, móveis e objetos foram quebrados, fezes e urina foi espalhadas pelo cômodos. Do lado de fora, jornalistas, policiais e até animais foram ameaçados e agredidos. 

Os amplos gramados que cercam os Três Poderes dificultam qualquer ação furtiva. Lúcio Costa concebeu a Esplanada como um espaço de manifestação cívica e democrática. Até aqui, tudo leva a acreditar que tamanha monstruosidade só ocorreu graças à omissão ou anuência das forças de segurança e de autoridades.

O governo Lula, o Legislativo, o Supremo e a comunidade internacional têm respondido à altura, punindo os envolvidos e condenando publicamente os atos. Apenas disso, contudo, não é o suficiente.

Embora uma tomada de poder esteja fora de questão, é grave que o bolsonarismo golpista tenha conseguido produzir uma imagem de força tão marcante. Como resumiu o professor Francisco Teixeira, da UFRJ, a CartaCapital, o Capitólio à brasileira é fruto de um triplo apagão: de segurança, de inteligência e tático. Só não foi pior porque nenhuma autoridade teve a vida ameaçada – e porque Bolsonaro está fora do poder e do Brasil. 

Os acampamentos golpistas estão, finalmente, sendo desmontados. Mas não a estrutura psíquica que originou esse movimento.

Por não se verem como terroristas, e sim como ‘patriotas’, os bolsonaristas que invadiram os Três Poderes produziram até provas contra si mesmos.

Também chama atenção, entre os detidos e presos identificados até aqui, a quantidade de moradores de pequenas cidades do interior do Brasil – repletos dos chamados 'deserto de notícias', lugares onde não há imprensa local independente.

Envenenados por mentiras e teorias conspiratórias que circulam livremente em apps de mensagem e acobertados por uma robusta estrutura financiada por empresários, esses terroristas habitam um mundo paralelo, um delírio coletivo do qual será difícil despertá-los.

O caminho para a verdadeira reconstrução democrática será longo e tortuoso. A boa informação, o estímulo ao pensamento crítico e o respeito à verdade serão ainda mais fundamentais.


                                  CARTA CAPITAL





                                         

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Chacina em São João: bebê e outras quatro pessoas são assassinadas a tiros; outras sete ficam feridas

  Crime aconteceu na noite da quinta-feira (26) e foi motivado por 'rixa entre grupos ligados ao tráfico de drogas', segundo o gover...