Páginas

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Coluna do blog desta quinta-feira

Pernambuco está bem servido de candidatos a governador 
Das seis candidaturas registradas ao Palácio do Campo das Princesas, quatro representam projetos interessantes para o estado, duas com maiores chances, que são Armando Monteiro e Paulo Câmara, e duas que possuem qualidades que podem dar uma dinâmica interessante ao debate dos temas importantes do estado, que são Julio Lossio e Maurício Rands.
Mauricio Rands é advogado, tendo sido deputado federal por três mandatos, sendo um dos mais influentes da Câmara dos Deputados. Em 2012 tomou uma decisão bastante drástica que foi renunciar ao mandato e sair da política após o conturbado processo de prévias do PT. Seis anos depois, tendo experiências na iniciativa privada, Maurício Rands decidiu voltar para a política, agora na condição de candidato a governador pelo PROS. Apesar da pouca chance de vitória, Rands poderá qualificar o debate sobre temas relevantes para o estado devido a sua experiência como parlamentar, como advogado e até mesmo como empresário.
Julio Lossio é médico oftalmologista, e até 2008 nunca havia exercido mandato eletivo. Foi lançado como candidato a prefeito de Petrolina pelo ex-deputado federal Osvaldo Coelho numa aliança entre MDB, DEM e PSDB. Ele começou atrás nas pesquisas, cresceu durante a campanha e derrotou o deputado federal Gonzaga Patriota. No cargo de prefeito fez uma gestão revolucionária na cidade, com ações para a saúde, educação, segurança, sustentabilidade e desenvolvimento econômico, sendo reeleito em 2012 e saindo da prefeitura com expressiva aprovação em 2017. Agora na condição de candidato a governador, terá uma chance real de se apresentar a Pernambuco mesmo com pouco tempo de propaganda eleitoral. Lossio pode vender um novo conceito de política no estado e angariar, assim como Rands, eleitores que estejam desacreditados com as duas principais candidaturas que se enfrentaram em 2014.
Armando Monteiro foi candidato a governador em 2014 porque acreditava que aquela era sua vez de governar Pernambuco, chegando a romper com Eduardo Campos para se colocar como alternativa, uma vez que o então governador fez a opção por outra candidatura. Quatro anos depois, Armando teve a experiência de disputar uma campanha de governador e depois de ser ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Diferentemente de 2014 quando estava estreando na disputa pelo Palácio do Campo das Princesas e nunca havia passado pelo executivo, Armando tem condições de canalizar os insatisfeitos com o atual governador colocando-se como uma mudança segura para o estado.
Por fim, Paulo Câmara acabou sendo eleito após ser ungido por Eduardo Campos e beneficiado diretamente pelo acidente que vitimou o ex-governador. Suceder Eduardo não seria fácil para ninguém, sobretudo para quem sequer havia sido deputado, mas a situação se agravou com as sucessivas crises enfrentadas pelo governador. Ora pelo impeachment que deu instabilidade aos governantes, ora pela crise econômica que dizimou empregos e deixou em Pernambuco uma sensação de terra arrasada.
Os desafios não foram fáceis para o governador, apesar disso é prudente reconhecer que Paulo conseguiu manter serviços essenciais funcionando, a folha salarial do funcionalismo público em dia, e ainda conseguiu fazer investimentos e algumas obras no estado que beneficiaram os pernambucanos. Apesar de não ter nenhuma obra estruturadora para utilizar como marca do governo e parte das promessas de campanha não terem sido cumpridas, é pouco provável que outro nome que estivesse no lugar do atual governador tivesse resultados muito melhores do que os que foram obtidos por Paulo nestes quatro anos.
Com a campanha prestes a começar, Pernambuco pode se dar ao luxo de contar com quatro nomes com envergadura para ocupar o cargo de governador, cada um com sua característica, com erros e acertos para serem apontados ou exaltados, mas não teremos na eleição nenhum dos quatro nomes que tenha algo que desabone a sua conduta e que possa quebrar as tradições dos bons governadores que Pernambuco teve ao longo dos anos.
FUNDEF – A procuradora do Ministério Público de Contas de Pernambuco (MPCO), Germana Laureano, está hoje (9) no Tribunal de Contas da União (TCU), em Brasília, para uma reunião sobre os recursos dos precatórios do extinto Fundef. Estes precatórios são verbas milionárias da educação, que prefeituras de todo o Brasil ganharam da União em ações na Justiça Federal. O uso do dinheiro, inclusive em Pernambuco, está bloqueado pelo TCU, até que o órgão defina como os valores podem ser aplicados. Germana Laureano vai se reunir com técnicos do TCU para definir como será feita a auditoria do órgão na aplicação destes recursos da educação municipal.
Reforço – O candidato a senador Bruno Araújo conquistou o apoio do prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Lula Cabral, para a sua postulação. Lula não é o único prefeito a decidir apoiar Bruno, muitos gestores têm gratidão e reconhecimento ao trabalho dele em Brasília em defesa dos interesses dos pernambucanos. Na Câmara dos Deputados sempre atendeu suas bases, e como ministro das Cidades atendeu todos os prefeitos pernambucanos sem fazer qualquer distinção. Outra qualidade de Bruno que agradou aos deputados federais e estaduais foi não lançar ninguém em seu lugar para a disputa, o que garantiu o empenho dos colegas para a sua eleição em outubro.
Novidades – Candidatos a deputado federal e deputado estadual, João Campos e Aglailson Victor, respectivamente, possuem importantes dobradinhas em todo o estado, que estão fazendo deles dois candidatos com chances de obterem expressivas votações. Tanto João quanto Victor são bem aceitos por onde passam por serem nomes novos na disputa deste ano.
Contas – Nas contas de um experiente deputado, o PSB num chapão com PSD e MDB, terá um total de 15 deputados estaduais para tentar a reeleição após a desistência de Nilton Mota, que coordenará a campanha de Paulo Câmara. Fora isso, somente Paulo Dutra, Aglailson Victor e Ana Callou serão novidades na disputa. A chapa na conta deste deputado elegerá doze estaduais no máximo e por não ter cauda, o último deverá entrar com votação entre 47 e 49 mil votos.
RÁPIDAS
Ausência – Eleito com 187 mil votos em 2014, dos quais 100 mil foram em Recife, Felipe Carreras não repetirá o desempenho na capital pernambucana. Para compensar decidiu fazer dobradinhas no interior, como em Floresta com Rodrigo Novaes. Ocorre que foi marcado um evento para que ele fosse apresentados aos vereadores. Quando chegou no dia, Felipe sequer apareceu, causando reclamações do grupo que iria lhe garantir 2 mil votos.
Sucesso – Encerramos o mês de julho com mais de meio milhão de pageviews, nos tornando um dos blogs de política mais acessados do estado, igualando o resultado de outros blogs atrelados a importantes veículos de comunicação. Agradeço a você que nos acompanha, curte, comenta e compartilha, nos ajudando a atingir resultados cada vez mais audaciosos.
Inocente quer saber – Quantos prefeitos do PSB estarão oficializando apoio aos candidatos da oposição?

Do Blog do Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Edson Vieira pede ‘lealdade e fidelidade’ de Armando Monteiro após declarar apoio

Escolhido como candidato a governador apoiado pelo grupo boca-preta em Santa Cruz do Capibaribe, Armando Monteiro (PTB) prestigiou, n...

Matérias mais vistas